Quarta-feira, Agosto 10, 2022
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
InícioNotíciasSegurançaMulher tenta furtar 5 peças de picanha de supermercado de Blumenau

Mulher tenta furtar 5 peças de picanha de supermercado de Blumenau

Tanto a suspeita como um funcionário ficaram feridos durante a abordagem

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Uma mulher de 47 anos foi presa pela polícia militar por ter tentado furtar 5 peças de picanha em um supermercado da Rua dos Caçadores (esquina com Rua Itororó), no bairro da Velha em Blumenau, por volta das 20h deste sábado (22). Segundo o estabelecimento, o produto custava R$ 693,08.

A mulher colocou as peças de carne em uma bolsa e tentou fugir do supermercado, mas foi detida por funcionários. Tanto a mulher como um dos funcionários, de 21 anos, estavam com ferimentos enquanto aguardavam a chegada da PM em uma sala do estabelecimento.

Imagem: Google Street View

A versão do funcionário

O rapaz de 21 anos que trabalha no supermercado contou à PM que a mulher resistiu à abordagem e tentou fugir a pé com a carne na bolsa. Disse que havia um homem junto com ela, mas que conseguiu fugir correndo. Também relatou que os funcionários precisaram usar força física para deter a mulher porque ela resistiu à abordagem e que teria quebrado 28 garrafas de vinho e cerveja, em um prejuízo de R$ 693,72. Por causa da resistência da mulher, o funcionário teria se machucado. O rapaz contou que a suspeita e o homem que fugiu fizeram ameaças a ele, dizendo que ela tinha um filho membro de uma “facção criminosa” e que iria mandar “matá-lo”.

A versão da suspeita

A mulher de 47 anos não negou para a PM que estava furtando a carne do supermercado, mas negou que tivesse quebrado as garrafas de bebida. Ela disse que foi levada à força até uma sala do estabelecimento e que isso lhe causou vários ferimentos nos braços. Os policiais constataram os ferimentos e que a mulher estava mancando, pois ela teria cortado os pés nos cacos de vidro das garrafas quebradas. Segundo a PM, a mulher não resistiu à prisão e não foi necessário o uso de algemas para conduzi-la ao Instituto Geral de Perícias (IGP) e em seguida à delegacia de polícia civil para as providências legais.

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
Mais Notícias desta Categoria
- Publicidade -spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Últimas Notícias

Comentários Recentes